A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) requer atenção das empresas

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), mesmo que postergada mais uma vez, segue sendo pauta sobre como deve funcionar o tratamento de dados (leia texto completo da lei clicando aqui), as empresas ainda têm muita dúvida sobre como armazenar, tratar e utilizar essas informações com segurança. “Quando pensar em estrutura de uso de dados, levando em conta a Lei, as marcas têm de avaliar bem para qual finalidade ele se destina e utilizar a informação apenas para este fim ou deixar claro desde o início qual será o uso”, explica Marcel Ghiraldini, VP e co-fundador da Math Marketing durante sua palestra no IT Fórum X. 

O que determina a LGPD

A LGPD determina que o dado agora tem um ciclo de vida, ou seja, nasce com uma finalidade e depois do uso tem de ser excluído. De acordo com Marcel, a relação tem de ser transparente e as empresas não devem ser malas, ou seja, se utilizam o dado para mandar uma newsletter, devem utilizar apenas para este fim. Afinal, o dono do dado é a pessoa e ela pode determinar exclusão da utilização.

Ou seja, as informações pessoais deverão ser fornecidas sob autorização e ser feito com o dado somente o que foi autorizado pelo usuário. 

Cuidados importantes

Um ponto importante da Lei nº 13.709 é que todas as empresas, independente do tamanho, poderão ser penalizadas e as multas são altíssimas e podem chegar a R$ 50 milhões. Portanto, é recomendável não subestimar a LGPD. 

Uma alternativa para quem tem muitos clientes é promover experiência, ou seja, fazer marketing de conteúdo, inbound marketing, para conquistar a autorização e interagir com seu público alvo. Marcel deu a dica: ‘’Se quiser vender algo, faça o conteúdo ter valor suficiente para que o proprietário do dado queira mais. A partir daí tentar outra coisa e não usar esses dados para bombardear seu cliente com banner, newsletter etc’’

Aqui damos mais dicas de como isso pode ser feito: LGPD na prática: Ter um modelo de conteúdo é essencial para conquistar leitores?

Cuidado com os dados pessoais


É fundamental que as marcas tenham cuidado em relação ao uso de dados sensíveis, ou seja, dado pessoal referente à origem racial ou étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, dado referente à saúde ou à vida sexual, dado genético ou biométrico. 

Para não ter problema, é preciso trabalhar com mídia própria na hora de oferecer seu produto ou serviço, ou seja, aquilo que você deleta no fim do dia, melhor pecar pelo excesso do que ser autuado pela Lei.

Quer saber mais sobre a LGPD? confira alguns de nossos conteúdos para te auxiliar e não fazer sofrer uma multa no final do dia.


Feedback