Com a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) marcada para 2020 no Brasil, muitos profissionais de marketing podem estar esperando pelo pior. 

A LGPD acabou com o marketing digital?”, “como fica a mídia programática?”. De acordo com o mediador Henrique R. Mascarenhas, Head of Commercial & Sales Effectiveness na GFK Brasil, essas foram questões comuns no evento Impactos da Lei Geral de Proteção de Dados, realizado no Auditório da IBM, São Paulo. 

O ambiente marcado por dúvidas é justificado pela mudança brusca imposta pela nova lei. Mas não se assuste, confira o que especialistas em marketing e direito têm a dizer sobre o assunto. 

LGPD exige novas ações

Marcel Ghiraldini, VP Marketing & Strategy da Math Marketing é categórico: “Não, o marketing digital e o DMP (Plano de Gerenciamento de Dados) não vão acabar”. Marcel reforça a ideia comparando com outros casos em que se chegou a achar que tecnologias operacionais estavam defasadas. “Os bancos não pararam de funcionar com o bug do milênio”. Mas reforça, “as indústrias vão ter que se adequar”.  

A forma como trabalhamos hoje, a transação do que eu posso ou não fazer com o dado, isso tem que ser revisto. Uma visão nítida e clara sobre como executar o marketing já muda radicalmente: o dado vence. Se ele vence, sua marca precisa criar uma estratégia de churn para dados. Ou seja, as coisas vão mudar, isso não significa que vão acabar. 

Ponto de vista jurídico 

Para Rodrigo Azevedo, da Silveiro Advogados, “se começa organizando a sua casa”. Ou seja, é responsabilidade das marcas organizar sua base de dados, assim como a cultura como se tratam os dados na empresa.  

Daqui para frente, sua marca não pode esquecer que o dado não a pertence, ele está temporariamente com você por determinado contexto, em determinado momento, você terá de exclui-lo, quando ele deixar de ser necessário”, explica.  

Rodrigo completa com um aceno otimista. “Alterando essa cultura, todos esses mercados vão continuar existindo e sendo viáveis. Eles apenas passam a ter um processo a ser seguido, assim como uma documentação que vem associada a eles. Hoje, não há exigência disso”  

Um novo profissional de marketing

 

Seguindo a dica do âmbito jurídico e dos especialistas de marketing, não é preciso se reinventar mas é preciso sim, ser estratégico e modificar a forma como esse dado é tratado para que todos seus processos permaneçam dentro da Lei. 

Uma das principais estratégias de marketing digital que está ganhando ainda mais força nesse cenário é o marketing de conteúdo. É uma das formas em que o próprio usuário lhe fornece o dado com legítima autorização, assim, além de criar um relacionamento com o seu cliente, você recebe uma autorização em tempo real.