Ninguém tem muita paciência para ficar na fila gigante de uma loja. É comum a gente abandonar o carrinho no estabelecimento e procurar outro ponto para realizar nossas compras. É claro que este mesmo comportamento ocorre também no digital, pois é ainda mais fácil abandonarmos um ecommerce e buscar outro em razão de segundos. Entenda, a conveniência é uma das principais razões pelas quais as pessoas compram online.

Partindo desse principio podemos constatar que é impossível que a atual geração goste de um site lento. Na verdade, os clientes potenciais muitas vezes formam uma opinião sobre uma empresa inteira com base em seu site e quão rápido ele carrega. Para piorar, os usuários se lembram dos tempos de carregamento online como sendo, em média, 35% mais longos do que realmente são.

Provavelmente nada disso é novidade para você. A internet está cheia de artigos, listas de verificação e guias de melhores práticas, uma vez que o Google anunciou que estaria considerando a velocidade como um sinal relevante para o seu algoritmo de classificação há quase uma década. No entanto, quando há uma chance de realizar alterações no site e está em jogo uma melhor estética, uma nova funcionalidade ou um novo conteúdo, a velocidade fica sempre para depois.

 O que torna esta questão ainda mais problemática é que, como um site funciona em desenvolvimento é muitas vezes bastante diferente de como os usuários experimentam isso. O conteúdo personalizado ou de terceiros muitas vezes não se comporta da mesma forma no desenvolvimento que na produção, as imagens de teste muitas vezes já estão no cache do navegador do desenvolvedor, e as chamadas de API que são executadas localmente são frequentemente tão rápidas que o atraso não é perceptível.

A dura verdade é que os usuários se preocupam mais com a velocidade do que todos os outros lindos elementos que você criou em seu site. Seu negócio vai perder vendas, gastar mais em mídia paga, gastar mais em infraestrutura de processo interno devido ao baixo desempenho. No final, seus retornos terão um grande atraso.

Neste artigo, usaremos o recente anúncio do Google sobre a experiência da página para passar por métricas de velocidade do núcleo, por que você deve manter o controle deles em uma base regular em todas as suas páginas iniciais e como uma experiência online lenta pode estar custando muito dinheiro ao seu negócio.

Métricas de desempenho para manter sob vigilância regular

 

O que é a velocidade de um site e como medi-la? Em épocas mais simples, o tempo de carregamento (ou seja, o tempo que uma página leva para carregar totalmente todos os seus elementos) foi o mantra e desenvolvedores. Web designers correram para otimizar os processos internos e espremer cada gota de capacidade de seus servidores. Era uma métrica atraente, simples de entender e simples de mensurar.

O problema é que os seres humanos e máquinas não percebem o tempo da mesma maneira

O tempo é relativo, ou como Albert Einstein o coloca: “quando você está com uma companhia agradável uma hora parece como um segundo. Quando você se senta em uma brasa um segundo parece como uma hora. Isso é relatividade”. Em outras palavras, o tempo voa quando você está tendo uma experiência divertida, mas ele se arrasta enquanto espera entre as telas de carregamento. O Tempo de Carregamento da Página considera quanto tempo leva para carregar e não como ele carrega. 

Como em todas as coisas relativas à internet, o Google está definindo o tom e os padrões quando se trata de desempenho e experiência. Durante o anúncio de sua última revisão do farol, o Google revelou novas métricas de desempenho e distribuição de peso.

Alguns são melhores amigos, mas há algumas novas adições. Antes de analisar cada métrica individual note a mudança de peso. Google está agora priorizando a navegação sem atrito aumentando o peso combinado da navegação do segmento médio e principal. Esta mudança terá um impacto significativo na classificação das páginas e pode revelar-se um marco para o desempenho online.

Além disso, o Google promoveu três métricas-chaves e as incluirá como sinais para a versão prevista do Algoritmo de Pesquisa de Rank a ser implantada em breve. Eles são chamados de Core Web Vitals e incluem Largest Content Paint (LCP), First Contentful Paint (FCP) e Cumulative Layout Shift (CLS). É um esforço para aumentar a consciência dos desenvolvedores da web sobre as necessidades básicas de experiência do usuário, como experiência de carregamento, interatividade e estabilidade visual do conteúdo da página.

 Maior Exibição de Conteúdo (Largest Contentful Paint – LCP)

De acordo com o Google, o LCP mede a velocidade de carga percebida e marca o ponto na linha do tempo de carregamento da página quando o conteúdo principal da página é carregado. Na prática, a fim de aproximar quando o conteúdo principal é visível para os usuários, ele mede quando o maior elemento de conteúdo na janela de exibição é renderizado na tela. É uma métrica para a percepção de velocidade. Mesmo se alguns elementos ainda estiverem carregando uma vez que uma parte significativa é carregada, os usuários consideram que a página está pronta para interagir.

Primeiro Atraso de Entrada (First Input Delay – FID)

De acordo com o Google, FID mede a capacidade de resposta e quantifica a experiência que os usuários sentem ao tentar primeiro interagir com a página. Em termos simples, pense nisso como uma métrica de primeiras impressões. Apesar de fazer parte dos Core Web Vitals, você não vai encontrar essa métrica na tabela acima, porque é de fato uma combinação de duas métricas separadas, uma para medir a impressão de velocidade de carga (First Contentful Paint) e uma para sites de interatividade (tempo de interatividade).

Primeira Exibição de Conteúdo (First Contentful Paint – FCP)

Marca o momento em que o primeiro texto ou imagem é mostrado na tela. FCP mede quanto tempo o navegador leva para renderizar o primeiro conteúdo DOM (Modelo de Objeto de Documento, DOM em inglês, é a interface de programação para documentos HTML e XML) depois que um usuário navega para sua página. Imagens, elementos canva não branco > e SVGs em sua página são considerados conteúdo DOM; qualquer coisa dentro de um iframe não está incluída.  

Tempo para Interação de Página (Time To Interactive – TTI)

Mede a quantidade de tempo que leva para que a página se torne totalmente interativa. Medir TTI é importante porque alguns sites otimizam a visibilidade do conteúdo em detrimento da interatividade. Isso pode criar uma experiência de usuário frustrante; o site parece estar pronto, mas quando o usuário tenta interagir com ele, nada acontece.

Mudança de Layout Cumulativa (Cumulative Layout Shift – CLS)

Mede a estabilidade visual e a quantidade de mudança inesperada de layout do conteúdo visível da página. Isto porque hoje em dia, o volume de conteúdo carregado dinamicamente é tanto, que as mudanças podem desencadear comportamentos inesperados em elementos DOM o que pode confundir o usuário e estragar sua experiência. Pense em todos aqueles botões irritantes que tendem a mudar de lugar cada vez que você tenta pressioná-lo.

Índice de velocidade

Mede a rapidez com que o conteúdo de uma página é visivelmente preenchido. O índice de velocidade mede a rapidez com que o conteúdo é exibido visualmente durante o carregamento da página.

Tempo Total de Bloqueio (Total Blocking Time – TBT)

Soma de todos os períodos entre FCP e Tempo para Interagir, quando a duração da tarefa excedeu 50ms, expressa em milissegundos. TBT mede a quantidade total de tempo que uma página está bloqueada de responder à entrada do usuário, como cliques do mouse, toques na tela ou prensas do teclado.

Tabela Inteligência artificial

Por que o desempenho está drenando seus recursos?

 

Agora que já cobrimos rapidamente as principais métricas de desempenho usadas pelo Google, vamos falar de negócios. Mas primeiro vamos abordar o elefante na sala. Sim, o conteúdo ainda é rei. O Google afirma priorizar informações úteis sobre a experiência. “Embora todos os componentes da experiência da página com as melhores informações em geral, mesmo que alguns aspectos da experiência da página sejam inferiores. Uma boa experiência de página não anula ter um conteúdo grande e relevante. No entanto, nos casos em que há várias páginas que têm conteúdo semelhante, a experiência da página torna-se muito mais importante para a visibilidade na pesquisa” de acordo com o seu último anúncio.

Mas, como a maioria dos e-commerce, gerentes de negócios online e executivos sabem, SEO é apenas uma parte da equação. Estressados pela concorrência feroz e margens escassas, eles sabem que a escala importa e um único passo em falso pode colocá-los fora do negócio. 

Aqui seguem os quatro impactos negativos sobre seu negócio causados por um site de rastreamento ou desempenho da página:

Primeiro, sua estratégia de mídia paga vai custar mais

Páginas de destino lentas têm pontuações de qualidade mais baixas. E as pontuações de qualidade irão determinar quando e se o seu AD aparecerá para potenciais clientes e seu custo. Quanto menor o desempenho, maior o custo pago e menos tempo de transmissão será dado ao seu AD. Pontuação de qualidade superior permite lances mais baixos para posições mais altas, reduzindo o custo por clique (CPC).

Segundo, sua estratégia de busca orgânica é penalizada

Páginas lentas têm taxas de rejeição mais elevadas. Para os algoritmos dos mecanismos de busca este é um sinal de conteúdo de baixo valor.  Como os mecanismos de busca querem veicular o conteúdo mais relevante em qualquer consulta, sua página será penalizada e mostrada para clientes menos potenciais. Todo o seu esforço de equipe para otimizar SEO vai instantaneamente para o ralo.

Para piorar a situação, os rastreadores dos mecanismos de busca passam um tempo limitado em cada site. Na eventualidade de seu site inteiro demorar para responder, o bot só irá indexar um número limitado de páginas.

Em terceiro lugar, seus clientes comprarão menos

É frustrante e doloroso assistir à medida em que muitas empresas vão para obter potenciais clientes para clicar em seu site só para vê-los saltar porque eles não estão dispostos a esperar por uma página para carregar.

Nossa experiência, uma redução de 7 segundos em uma métrica como índice de velocidade reduziram a taxa de rejeição do cliente financeiro em cerca de 18%. Isso destaca como 1 segundo poderia fazer toda diferença no mundo ente uma transação bem sucedida e uma interação muito pobre.

Em quarto lugar, seu investimento em novas ferramentas vai sair pela culatra

Ferramentas analíticas, plataformas de automação e provedores de conteúdo dinâmico dependem de código JS adicional que será executado durante a carga da página. Em uma página já lenta, isso só vai exacerbar o problema. Em vez de ajudar seu site a proporcionar uma melhor experiência ao cliente, essas ferramentas acabarão fazendo exatamente o oposto.

Em quinto lugar, você vai acabar gastando mais em infraestrutura

Para entender melhor os impactos da velocidade em sua infraestrutura, vamos comparar duas páginas com métricas muito diferentes.

Usando LCP e FCP como proxy para tempo de solicitação, o cálculo simples nos fornece uma noção de como a velocidade afeta nossa infraestrutura de processo interno. Em comparação com a página B, os proprietários da página A teriam que dobrar sua infraestrutura para lidar com tráfego semelhante. É claro que a era da computação barata e paga sob demanda permite que os desenvolvedores respondam ao pico em tempo real, mas tudo isso vem com um preço associado. Quando as empresas não conseguem otimizar o uso de seus recursos online elas abandonam uma de suas principais vantagens em relação a seus concorrentes tradicionais, as economias de escala.

Você sabe como controlar a velocidade do seu site?

 

Há uma variedade de ferramentas disponíveis online para acompanhar o desempenho da página, e a maioria deles são gratuitos. Lighthouse é o próprio conjunto de ferramentas do Google e é um dos mais utilizados. Mas a maioria destas ferramentas tem duas grandes desvantagens: 1) elas só medem o desempenho uma página de cada vez e 2) elas só o medem em um momento específico no tempo.

Hoje em dia os sites são redes complexas de entradas e páginas iniciais, tornando inútil monitorar apenas uma página. Sua página inicial principal pode ser de alto nível, mas se a maioria do seu tráfego está vindo através de páginas específicas de campanhas atrasadas, todos seus esforços serão em vão.

Pensando nisso, muitas empresas optam por desenvolver suas próprias soluções personalizadas. A Math Marketing desenvolveu uma ferramenta que internamente é chamada de BOLT. Bolt monitora as métricas de desempenho em tempo real para uma variedade de páginas simultaneamente ajudando as equipes a acompanhar o desempenho de seu site em relação à velocidade de carregamento. Bolt é personalizável para as necessidades específicas de cada cliente e pode ser entregue a qualquer ferramenta de análise que sua equipe usa, como Power BI, Data Studio ou nossa própria plataforma proprietária.

A Math Marketing é uma consultoria de marketing que ajuda empresas de diversos setores a implementar processos orientados por dados. Ao misturar proficiência estatística, conhecimento de negócios e ferramentas avançadas, ajudando os clientes a responder a perguntas difíceis. 

Abaixo compartilhamos um ebook com fatores decisivos que podem melhorar sua autoridade no Pagerank do Google, e caso queira saber detalhes sobre formas personalizadas de acompanhar o desempenho do seu site entre em contato conosco através do contato@math.marketing. Vamos adorar te auxiliar!