Muito já passaram por isso: após alto investimento de tempo, dinheiro e pessoal na consolidação de um projeto de marketing, a resposta do público não veio, pois, o material produzido não estava adequado ao perfil do usuário ou ficou “escondido” por não utilizar as palavras-chave corretas. É frustrante, mas isso pode ser prevenido. Ora, a internet oferece várias ferramentas de fácil acesso para traçar um perfil do usuário através de coleta de dados, permitindo que a empresa personalize sua estratégia ao máximo. Veja só o que você pode fazer para entender melhor o comportamento de seu público na web:

Olho no Google Analytics

A já célebre ferramenta disponibilizada gratuitamente pelo Google fornece relatórios completos sobre o perfil dos usuários. A partir dele, é possível obter as principais métricas que você precisa medir. Sem conhecimento avançado você consegue saber quantos usuários visitaram o site, quantas visitas foram realizadas por cada usuário e quanto tempo eles ficaram ali. A leitura inicial do GA é feita em cima de três tópicos. Eles são os básicos e vão te dar uma visão ampla dos acessos:
  • Acessos: interações com a página
  • Eventos: interações do usuário com o conteúdo independentemente do carregamento da página, como play em vídeos, downloads e cliques em anúncio para dispositivos móveis
  • Fonte de tráfego: o que gera mais tráfego para a página

Aperfeiçoando a leitura

Após essa leitura inicial, o usuário pode aprofundar a leitura, realizando uma análise mais sofisticada dos dados através de relatórios customizados. Assim, é possível realizar diagnósticos e gerar subsídios para traçar estratégias. Confira algumas dicas para utilização do serviço: – A plataforma do serviço é praticamente toda interativa, permitindo a análise de performance durante intervalos específicos de tempo e o isolamento de perfis do público por localização, sexo, faixa-etária, temas de preferência, enfim, de tudo, então, fique ligado se seu conteúdo está atingindo o público-alvo visado! – O Analytics permite que você acompanhe em tempo real quantas pessoas estão visitando seu site e por onde eles o descobriram, medindo que meios são mais eficientes e quais outros devem ser retrabalhados. – Estabelecer as datas e a faixa horária em que o site recebe mais acessos também pode ser uma ferramenta valorosa para que as publicações sejam aproveitadas ao máximo. Muitas vezes, bons materiais caem em ostracismo por não terem sido agendados com atenção. – Além disso, o Analytics permite que você confira o tempo médio que os usuários passaram na sua página, possibilitando uma leitura aproximada do grau de interesse que ela despertou nos usuários. Caso o tempo seja muito curto, a solução é buscar novas alternativas mais adequadas, do contrário, parabéns, seu site atraiu a atenção dos possíveis clientes, que provavelmente procurarão outros materiais publicados nela.

Análise que cria possibilidades

Uma pesquisa realizada pela CMO Survey em 2015 mostrou que 36% dos líderes de marketing utilizam GA como ferramenta para aquisição de consumidores. O ranking segue com mix de marketing (31,5%), retenção de consumidores e mídias sociais (30,7% cada), segmentação e estratégia promocional (29,2%), branding (26,5%), estratégia de pricing (21,8%), estratégia de produto ou serviço e desenvolvimento de produto ou serviço (20,2%) e, finalmente, marketing multicanal. Baseando-se nessa coleta de dados, o site HBR realizou algumas observações sobre o assunto:
  • Companhias que investem tempo e energia focando-se na ativação de insights ao invés de apenas gerar insights obtém maior sucesso. Isso requer profissionais capacitados para fazer uma leitura sofisticada dos insights necessários para uma leitura de dados focada.
  • Empresas devem ter “tradutores” de dados à disposição para evitar falhas de comunicação e interpretação de informações obtidas através do GA. A presença de um profissional da área preenche o espaço vazio entre analistas e estrategistas.
  • O HBR sugere que, de início, o empreendedor use a análise do GA focando-se em setores específicos. O site observa que, normalmente, o entusiasmo inicial com a leitura de dados pode levar o usuário a uma utilização fragmentada e de pouco resultado prático.

A caixa de busca do Google é uma fonte rica de insights

Sim, o autocomplete é uma ferramenta. Pode parecer improvisado, mas funciona. As sugestões não aparecem ali por acaso, elas são calculadas pelo Google através de milhares de buscas. Então, não tenha medo de consultar essa ferramenta. Dali podem sair boas ideias para o título e para as palavras-chave de seu post. Você conhece o gráfico mid-tail? Ele serve para mostrar se sua chamada está genérica demais, correndo o risco de se perder entre o mar de conteúdo disponível na internet, ou específico demais, sendo encontrado apenas através de buscas muito específicas. Através deste gráfico, é possível estabelecer um balanço, potencializando a probabilidade de que sua publicação ganhe destaque.

Long tail

Veja só um exemplo, digamos que você quer vender uma camisa: “Camisa”: muito vago “Camisa importada para festas”: bom “Camisa importada para festas na praia”: ótimo “Camisa importada para festas na Praia do Rosa quando estiver chovendo”: hmm, específico demais Essas são algumas formas com as quais o marketing analítico pode ajudar seu site a crescer. Quer saber mais sobre o Google Analytics? Baixe nosso Ebook sobre o assunto!