De acordo com um estudo realizado pelo PEW Internet, 53% dos investidores de tecnologia acreditam que em 2020, mudanças significativas serão na adoção de gamificação. De acordo com Mike Liebhold, pesquisador senior do Instituto para o futuro “O desenvolvimento de “games sérios” aplicados produtivamente a um grande escopo de atividades humanas crescerá significativamente, simplesmente porque jogar é mais divertido do que o trabalho padrão”.
Um bom exemplo de como os games já estão entrando para atividades corriqueiras é o jogo Zombie Run! Da inglesa Six to Start. O fato é que ao pedir doações para investimento por meio da Kickstarter, site de financiamento de projetos, os desenvolvedores receberam 6 vezes o valor solicitado. O game, lançado no ano passado tem como objetivo tornar uma simples atividade como a corrida em uma experiência divertida.
O sistema é muito simples e divertido: o usuário inicia o aplicativo e coloca os fones de ouvido e escolhe um destino. Quando começa a correr, um narrador começa a história sobre um apocalipse, e como o mundo se modificou após uma infestação de zumbis. O mais legal é que quanto mais correr, mais munição e remédios são coletados para distribuir para os demais sobreviventes do apocalipe.
Para motivar o corredor, o jogo continua e conta com fases que animam o exercício diário.
Ainda duvida do poder da gamificação?
A consultoria Gartner afirma que, das duas mil empresas mais poderosas do mundo, 70% destas irão aderira gamificação até 2015, que parece ser um bom ano para essa indústria, já que a M2 research afirma que neste mesmo ano o investimento nessa tecnologia será de U$1,6 bilhões, apenas nos Estados Unidos.
As aplicações dos games são diversas,apesar de os jogos ainda são usados principalmente em campanhas de marketing. Games para a educação, reciclagem de lixo e responsabilidade social são apenas alguns exemplos de sucesso. Jesse Schell, professor de tecnologia do entretenimento da Universidade Carnegie Mellon, afirma que “Nem todo jogo é legal. O tiro pode sair pela culatra para muitos marqueteiros que acham que basta adicionar pontos para tornar algo divertido e vendável”. Apesar disso, acredita que a gamificação não é apenas uma onda e perdurará por muitos anos.
E você? Vai aderir a essa tendência?
Equipe de Marketing Grupo Conectt