SEO, do inglês Search Engine Optimization, já não é nenhuma novidade, mas ele é um assunto que nunca fica defasado e tende a crescer cada vez mais. Como já dá para supor pelo nome, SEO (de pronúncia “és-i-ou”) é um conjunto de técnicas para otimizar o seu site para que ele se torne relevante para os motores de busca, como Google, Bing, Yahoo entre outros.

JÁ SEI TUDO ISSO, ME LEVE DIRETO PARA O GUIA DE SEO

Para entender o significado de SEO é preciso entender que as técnicas envolvidas em SEO englobam um leque de opções e ações para que seu conteúdo seja rapidamente consultado e entendido pelos robôs de busca, que vão colocar suas páginas cada vez mais no topo dos resultados. E estar na primeira página de resultados é estar no horário nobre da televisão e receber a maior audiência possível.

É o que vamos ver neste post que esperamos que seja seu guia de iniciação ao SEO.  Você vai descobrir como escrever e estruturar páginas para que os motores de busca entendam o valor do seu conteúdo e decida mostrar para o usuário. E como começamos a falar de máquinas, robôs e inteligência artificial, você pode estar pensando que estamos falando na língua de um engenheiro da NASA, mas você verá que não!

Embora, é claro, alguns elementos envolvam programação, o mais legal é que você vai entender que SEO não tem mistério! E ao final do post você entenderá de maneira geral as nuances desta técnica e, especialmente, verá como as ações são simples de aplicar e que você pode fazer com que uma página mal ranqueada no Google suba de posicionamento com aplicações simples que qualquer um pode fazer. Sem mais delongas, vamos lá!

O que é SEO?

Mas o que é exatamente esta otimização para resultados de busca? Para entender melhor este conceito vamos tentar entender como as coisas funcionam. Você já parou para pensar em como o Google decide qual resultado deve aparecer em primeiro lugar quando você realiza uma pesquisa?

Por que ele decide que o site X deve ocupar a primeira posição dos resultados enquanto o Y deve aparecer em segundo lugar? Bom, a verdade é que o Google não “decide” diretamente, mas estes resultados estão atrelados a maneira de como o Google classifica a relevância de uma página vinculada a um determinado assunto.

Mas como funciona o algoritmo do Google?

O PageRank foi um conceito criado por Larry Page e Sergey Brin, os fundadores do Google, para avaliar de uma forma melhor o volume gigantesco de páginas da web. Ele é o tão falado algoritmo do Google, uma solução de equações fechada para resolver problemas matemáticos.

Entender o funcionamento deste algoritmo requer um bom conhecimento matemático e de programação, mas perceba que aqui falamos do SEO como um conjunto de técnicas para deixar suas páginas bem posicionadas no Google, ou seja, para deixar seu conteúdo bem posicionado aos “olhos” do poderoso algoritmo.

Como o Google decide quais páginas são mais relevantes

Embora seu total funcionamento seja mantido em segredo pela gigante do Vale do Silício (você pode fazer um comparativo com a fórmula da Coca-Cola), muitos profissionais de Marketing e das mais diversas áreas, entenderam fatores-chave para que você consiga um bom posicionamento sem precisar ser um gênio da matemática.

O próprio Google divulga artigos e dados sobre seu funcionamento para que os profissionais adequem seus sites para boas práticas melhorando a qualidade dos links exibidos ao usuário, tornando assim, a internet um ambiente populado por endereços de relevância para o usuário e que sejam facilmente encontrados.

Dentre estes fatores de rankeamento, isso quer dizer, os itens que você deve olhar para que seu site esteja seja bem posicionado para determinadas palavra-chave que o usuário busca, existe uma lista que cita em torno de 200 fatores que você precisa deixar no seu radar.

A pirâmide invertida de SEO

Entre os mistérios do algoritmo, temos algumas certezas, sabemos que o rankeamento do Google segue parâmetros relacionados a um conjunto de três especificações distintas: Reputação, Conteúdo e Tecnologia. Pensando nisso foram desenvolvidas diversas boas práticas e técnicas de SEO para manter sites ou blogs com uma boa reputação, assim colocar seu produto ou serviço na tão esperada primeira página do Google.

Uma dessas estratégias, também conhecida como Pirâmide Invertida de SEO (Search engine optimization), é a mais utilizada. O conceito foi desenvolvido pela Agência Cadastra, e consiste nestes três critérios – em ordem decrescente de importância – que definirão se seu site ocupará um lugar de destaque na primeira página ou irá para o final da fila.

Veja abaixo uma representação visual do modelo:

Pirâmide invertida de SEO

Reputação

Como seu site se posiciona na web? Ou seja, como ele se faz valer dos recursos que a internet proporciona. É essencial a um estrategista SEO ser bem relacionado com outros portais de temas semelhantes.

Isso se faz principalmente através da utilização de links externos que levem a artigos de parceiros e do contato – eles logo irão retribuir o favor, acredite – e difusão de conteúdo relevante via redes sociais. No momento em que seu site for referenciado em outras publicações, ele automaticamente ganha credibilidade com o sistema de seleção do Google.

Conteúdo

 Muito se fala em ferramentas de automação de marketing, mas de pouco adianta citar as palavras-chave corretas se o produto final – seu conteúdo – não alcança as expectativas.

O mesmo vale para as referências a seu site: ninguém vai “linkar” seus artigos, gerando boa reputação, se eles forem ruins. Então, procure sempre criar conteúdo útil e de qualidade e em formatos variados: textos, vídeos, infográficos…O que se encaixa melhor à sua situação.

Tecnologia

Sistema para gestão de conteúdos, Content Management System, em inglês (daí vem a sigla CMS), é a arquitetura que você utiliza para produzir e difundir seu conteúdo. Apesar de o conteúdo final – sua relevância ao leitor – ser decisivo para uma tomada de decisão, antes disso, o leitor deve chegar a seu texto. É aí que entram os CMS: eles automatizam processos, tornando a produção de um material atrativo ao ranqueamento do Google mais simples.

Acompanhamento

É bem verdade que, apesar de extremamente relevantes, os três elementos apontados pela pirâmide invertida de SEO são apenas a ponta do iceberg. Um posicionamento categórico em marketing de conteúdo irá depender de uma série de medidas que podem ser desafiadoras a empreendedores não especializados na área.

Como fazer SEO?

Vamos ver aqui são os fatores mais relevantes para deixar o seu site bonito aos olhos dos motores de busca. Com as técnicas descritas neste post você conseguirá ter bons resultados. Você vai cortar o mato alto, ajustar a casa, deixar tudo em ordem para pensar em novas estratégias, cortar custos com mídia paga e atrair seu visitante de maneira orgânica.

Framework para guiar seu trabalho de SEO

Antes de passarmos pelas técnicas de SEO que você vai implementar para começar a ranquear bem o seu site, veja primeiramente o framework geral da Math Marketing que é aplicado em clientes. Chegamos a este desenho por entendermos ao longo do tempo que ele é cíclico e adaptável a diferentes necessidades, segmentos e tamanhos de negócio.

Framework de SEO

1 – Estudo de Keywords – Defina as palavras-chave que serão foco do seu trabalho, ou seja, as palavras que você precisa estar bem ranqueado quando alguém pesquisar por elas no Google.

2 – Otimização onpage – É neste passo que você vai realizar todas as alterações necessárias dentro de cada uma das páginas do seu site de acordo com suas palavras-chave foco. Estas alterações incluem ajustes no próprio texto, URLs, cabeçalhos, estrutura do conteúdo etc. Podemos dizer que neste passo você vai realizar alterações que são visíveis para o usuário.

3 – Otimização de performance tecnológica – O Google dá muita relevância ao desempenho da sua página. Ela precisa carregar rapidamente e oferecer conteúdo que seja interativo o mais rápido possível ao usuário, especialmente a versão mobile do seu site. A velocidade da página é um fator de rankeamento importante para o Google. Podemos dizer que neste passo você vai realizar as alterações que serão sentidas pelo usuário.

4 – Geração de insights – O trabalho de SEO é constante. Não basta você chegar ao topo, você precisa manter sua página entre as cabeças, monitorar seu concorrente, seu desempenho e conseguir enxergar tendências comportamentais e sazonais. Por meio de ferramentas de analytics e dashboards customizados, você consegue monitorar estas tendências para poder agir rapidamente, tanto para ajustar sua estratégia quanto para adaptá-la a mudanças de comportamento do usuário, você pode identificar, por exemplo, que uma nova palavra-chave está sendo muito pesquisada e que você ainda não atua sobre ela.

5 – Estratégia de conteúdo – Um plano de conteúdo e Inbound Marketing está intrinsecamente ligado a uma boa estratégia de SEO. É por meio desta estratégia que você vai poder atuar em outros temas que são de interesse do seu negócio, mas que não cabem na estratégia de rankeamento da sua página. Como vimos no capítulo anterior, criar um ecossistema de páginas de conteúdo que contemplem palavras-chave de long tail que são fundamentais para seu negócio, ajudam a alavancar a relevância do seu domínio.

6 – Link Building – É por meio do link building que o Google entende que sua página é relevante ao usuário. Quanto mais você tiver autoridade e estiver bem posicionado, mais suas páginas serão referenciadas em outros sites, pois outros criadores de conteúdo começam a enxergar que você tem autoridade sobre um assunto. Portanto, quanto mais os seus links estiverem dentro de outras páginas da web do mesmo segmento, mais o Google entende que você possui autoridade sobre o assunto.

Embora o processo de link building aconteça naturalmente, você deve ter um plano estratégico para ele. Você precisa monitorar se seu site não está sendo referenciado por domínios considerados tóxicos, o que pode prejudicar todo seu processo de SEO. Ferramentas como o SEM Rush ajudam você a visualizar todas as páginas da web que contenham o seu site, e aponta quais deles você deveria evitar.

Técnicas de SEO para deixar sua página rastreável

Vamos a um guia prático de como aplicar as principais técnicas para ajustar seu site para os motores de busca usando informações do nosso querido amigo Google. Ninguém melhor que ele para passar estas dicas, certo? Além disto, vamos explicar de forma detalhada os processos e verificar como eles impactam diretamente no negócio por meio de case de sucesso real.

Como funciona a pesquisa do Google?

Vamos utilizar o guia para principiantes em SEO do próprio Google para indicar as técnicas de SEO. Fundamental passarmos rapidamente por tópicos que explicam de maneira básica como funciona a busca no principal motor de buscas da Internet.

Rastreamento

A primeira etapa é descobrir quais páginas existem na Web. Não há um registro central de todas as páginas da Web. Por isso, o Google precisa pesquisar constantemente novas páginas e adicioná-las à própria lista de páginas conhecidas. Esse processo de descoberta é chamado de rastreamento.

Indexação

Depois que uma página é descoberta, o Google tenta identificar o conteúdo dela. Esse processo é chamado de indexação. O Google analisa o conteúdo da página, cataloga arquivos de imagens e vídeos incorporados e tenta identificar sobre o que ela trata. Essa informação fica registrada no índice do Google, um grande banco de dados armazenado em uma quantidade enorme de computadores.

Veiculação (e classificação)

Quando o usuário faz uma consulta, o Google tenta encontrar a resposta mais relevante no próprio índice com base em vários fatores. O Google tenta determinar as respostas mais adequadas e de qualidade mais alta, bem como avaliar outras considerações que fornecerão a melhor experiência do usuário. Para isso, leva em conta aspectos, como localização, idioma e dispositivo (computador ou smartphone).

Guia prático para aplicar SEO no seu site

Este guia comporta as principais dicas para você melhorar o SEO do seu site em 30 dias conforme as dicas do HubSpot, Ryte e do próprio Google. Estas dicas são válidas tanto para quem precisa otimizar o seu site, quanto para quem vai lançar um site novo.

Com uma ação realizada a cada dia, você vai deixar seu site pronto para ser encontrado e otimizar suas estratégias de SEO. A agenda é a seguinte:

  1. Você já está no Google?
  2. Como Colocar seu site no Google.
  3. Otimize o Title e Metadescription de todas as páginas
  4. Utilize alttext em todas suas imagens
  5. Verificar 404 ou links internos quebrados
  6. Revise seus redirecionamentos.
  7. Padronize a estrutura de suas URLs
  8. Encurte suas URLs
  9. Faça linkagem interna
  10. Utilize textos âncora para aumentar a relevância
  11. Mantenha o caminho de cliques o mais curto possível
  12. Melhore a rastreabilidade do seu site
  13. Diga aos motores de busca o que deve ser rastreado
  14. Faça sua pesquisa de palavras-chave
  15. Garanta uma navegação bem estruturada e limpa
  16. Otimize a velocidade de carregamento do seu site
  17. Otimize seu site para dispositivos móveis
  18. Identifique conteúdo duplicado
  19. Administre o conteúdo duplicado
  20. Crie títulos únicos nas páginas
  21. Faça curadoria do seu conteúdo
  22. Recicle seu conteúdo
  23. Internacionalize seu site
  24. Otimize seu site para pesquisas locais
  25. Use as redes sociais par alavancar seu SEO
  26. Incentive o usuário a interagir com sua marca
  27. Tenha contas no Google Analytics e Google Search Console

Vamos a cada um dos itens.

Você já está no Google?

Veja se seu site está no índice do Google: faça uma pesquisa do tipo “site:” pelo URL da página inicial do site. Se você encontrar algum resultado, isso significa que ele está no índice. Por exemplo, uma pesquisa por “site:wikipedia.org” vai retornar resultados.

Caso seu site não esteja no Google: embora o Google faça o rastreamento em bilhões de páginas, é inevitável que alguns sites acabem não aparecendo. Quando nossos rastreadores deixam de registrar um site, isso geralmente ocorre por um dos seguintes motivos:

O site não está bem conectado a outros sites na Web.

Você acabou de lançar um novo site, e o Google ainda não teve tempo de rastreá-lo.

O design do site dificulta o rastreamento efetivo do conteúdo dele pelo Google.

O Google encontrou um erro ao tentar rastrear o site.

Sua política impede o Google de rastrear o site.

Como colocar seu site no Google?

A inclusão do seu site nos resultados da pesquisa do Google é gratuita e muito fácil de ser feita. Além disso, você não precisa enviar seu site ao Google. O Google é um mecanismo de pesquisa totalmente automatizado que usa rastreadores para explorar a Web regularmente em busca de novos sites para o índice. Na realidade, a grande maioria dos sites listados nos resultados da pesquisa não é enviada manualmente para inclusão. Esses sites são encontrados e adicionados automaticamente quando rastreamos a Web. Vamos ver aqui as boas práticas para que o Google encontre o seu site e o exiba em posições nobres, leia-se primeira página.

Otimize o Title e Metadescription de todas as páginas

A primeira coisa que um usuário vê ao pesquisar uma palavra-chave é o snippet na página de resultados da Pesquisa Google. O snippet inclui o título da página, o URL e a meta descrição.

metadescription da página para SEO

O título deve ser curto e conciso. Isso afeta seu ranking para palavras-chave. Sua meta descrição deve ser precisa descreva o conteúdo que sua página oferece. Embora não impactar diretamente sua classificação de pesquisa, afetará sua taxa de cliques taxa!

Dicas práticas para otimização de títulos

Mantenha o título curto. Google trunca qualquer coisa além dos 70 caracteres.

• Use as palavras-chave que você deseja classificar no título da página.

• Volte e adicione títulos de página a qualquer uma das páginas que não contenham.

Dicas práticas para otimizar a descrição:

• Limite sua descrição a 175 caracteres. Assim você evita que o Google corte seu texto com as reticências. A MetaDescription não possui um valor tão grande para SEO, mas ela é fundamental para sua conversão. É por meio dela que o usuário entenderá o conteúdo que ele vai encontrar na página. Se a descrição for clara, concisa e objetiva, ele tende a clicar no seu link.

• Portanto, tente integrar uma frase de chamariz em sua descrição que incentiva os usuários a clicar na sua página do site.

• Qual o valor agregado que o usuário obtém ao visitar seu local na rede Internet? Deixe claro na descrição.

• Use palavras-chave importantes.

Dica do Google: Use descrições únicas para cada página

Ter uma metatag de descrição diferente para cada página beneficia os usuários e o Google, especialmente no caso de pesquisas em que os usuários podem abrir várias páginas no seu domínio (por exemplo, pesquisas com o operador “site:”). Se seu site tem milhares ou mesmo milhões de páginas, provavelmente não será viável criar manualmente metatags de descrição para todas elas. Nesse caso, você pode gerar metatags de descrição automaticamente com base no conteúdo de cada página.

Utilize alttext em todas suas imagens

Os mecanismos de pesquisa não conseguem interpretar completamente o conteúdo de imagens sem suporte textual. É por isso que usar o texto alternativo descrever suas imagens é tão importante: permite pesquisar mecanismos para entender o conteúdo da imagem. E, se por algum motivo uma imagem não pode ser carregada, o atributo Alt exibe o texto alternativo especificado. O texto alternativo também permite usuários com deficiência visual que usam softwares de leitura de páginas a entenderem e leram o conteúdo que está dentro deste atributo. Ter seu site otimizado para acessibilidade, também conta pontos para o Google. Você tem que otimizar suas páginas para toda o seu público.

O atributo Alt é integrado ao link da imagem no diretório

Código fonte HMTL:

uma imagem bonita com um Alt</p>
<p> <!-- /wp:paragraph --><!-- wp:paragraph --> </p>
<p>atributo

Dicas práticas para o uso dos atributos Alt:

• Acesse seu site e verifique se você adicionou todos os ALT atributos para imagens já existentes.

• Adicione um atributo ALT para cada imagem em seu site.

• Use palavras-chave importantes para os textos ALT.

• Use o texto ALT para descrever quais são as imagens ilustra.

Dica do Google: Como muitas das outras partes da página que são segmentadas para otimização, os nomes de arquivo e os textos alternativos funcionam melhor quando são curtos e descritivos.

Evite:

usar nomes de arquivo genéricos, como “imagem1.jpg”, “foto.gif”, “1.jpg” sempre que possível. Se o site tiver milhares de imagens, considere automatizar o nome delas;

criar nomes de arquivo muito extensos;

usar palavras-chave demais no texto alternativo ou copiar e colar frases inteiras.

Forneça texto alternativo ao usar imagens como links

Se você optar por usar uma imagem como link, preencha o texto alternativo dela para ajudar o Google a entender mais sobre a página que você está vinculando. Imagine que você está criando o texto âncora de um link de texto.

Evite:

texto alternativo muito longo que seria considerado spam;

usar somente links de imagens para a navegação do site.

Verificar 404 ou links internos quebrados

Quando um usuário visita um URL que não pode ser encontrado em um servidor, o navegador mostra o código de erro 404 (arquivo não encontrado). Quando isso acontece, ele não apenas cria uma experiência negativa para o usuário, mas também interrompe o rastreamento do mecanismo de pesquisa. Se os mecanismos de pesquisa encontrarem muitos erros 404 em seu site, eles entenderão isso como um sinal de que seu site não é mantido adequadamente. Mas, na maioria das vezes, erros 404 ocorrem devido a falhas. Em outras palavras, você inseriu um link em algum lugar do seu site que vai para uma página de destino não existe mais. Isso geralmente ocorre quando os URLs de destino foram alterados ou gravados incorretamente. Verifique periodicamente se há links quebrados no seu site (especialmente após um relançamento ou pequenas alterações de URL).

Dicas práticas: Corrija os erros 404

• Verifique se o seu site exibe algum erro 404.

• Redirecione os URLs defeituosos para os URLs corretos usando redirecionamento 301. Converse com seu time de TI sobre isso.

• Peça a outros webmasters que corrijam os links incorretos que apontam para

seu site.

• Verifique os links no menu de navegação.

Revise seus redirecionamentos.

A realocação do servidor pode tornar necessário redirecionar temporariamente determinados URLs. Esses redirecionamentos (código de status 302) garantem que o Google retenha os URLs antigos no índice, permitindo que os usuários acessem os URLs antigos mesmo após a realocação do servidor. Você deve usar apenas um redirecionamento 302 por um período de tempo limitado. Para redirecionar permanentemente um URL, use o código de status 301, que redireciona permanentemente o URL antigo para o novo URL. Parte da autoridade de SEO que você possuía da página antiga, também é repassada no processo. Esta é a grande importância de realizar redirecionamentos corretos em caso de mudanças na estrutura de URL. Você não pode perder a autoridade já conquistada!

Dicas práticas:

• Verifique todos os redirecionamentos usados no seu site.

• Verifique se os redirecionamentos 302 existentes são realmente necessários ou se você deve substituí-los por redirecionamentos 301.

Dica do Google: Para evitar que uma parte dos usuários vincule uma versão do URL e outra vincule uma versão diferente dele (o que poderia dividir a reputação desse conteúdo entre os URLs), procure usar e fazer referência a um URL na estrutura e no vínculo interno das suas páginas. Se você constatar que as pessoas estão acessando o mesmo conteúdo por meio de vários URLs, uma boa solução será configurar um redirecionamento 301 de URLs não preferenciais para o URL dominante. Você também poderá usar o URL canônico ou o elemento do link rel=”canonical” se não for possível fazer o redirecionamento.

Evite:

Que páginas de subdomínios e o diretório raiz acessem o mesmo conteúdo, por exemplo, “dominio.com/pagina.html” e “sub.dominio.com/pagina.html”.

Padronize a estrutura de suas URLs

Os URLs no seu site são como sinais para o conteúdo que seus usuários desejam acessar. Quanto mais uniforme a estrutura do site, mais rápido os usuários podem chegar ao seu destino. Criar uma experiência positiva do usuário ajuda a reduzir as taxas de rejeição e aumenta o tempo de permanência. Uma estrutura de URL uniforme também ajuda os mecanismos de pesquisa a rastrear seu site mais rapidamente. Quanto mais rápido os robôs conseguirem acessar todos os URLs, mais páginas ele percorrerá e indexará em seu orçamento limitado para rastrear cada site. Uma estrutura de diretório uniforme também significa usar URLs descritivas. Isso ajuda os usuários a se orientarem no seu site. Os URLs descritivos também são adequados para ações de marketing ou compartilhamento de conteúdo nas redes sociais, pois os URLs fornecem dicas sobre o conteúdo da página de destino.

Exemplo de URL descritiva:

www.mywebsite.com /

directory /

productname.html

Dicas práticas:

• Verifique se você está usando URLs descritivos.

• Verifique os caminhos dos cliques e reduza a estrutura do URL para um

máximo de 4 níveis de diretório.

• Verifique se um diretório aponta logicamente para todos suas pastas “pais”, por exemplo, www.mywebsite.com/main-folder/subfolder/

product.html

• Use redirecionamentos 301 para redirecionar URLs antigos para os novos URLs

sempre que você fizer alterações.

Dica do Google: Uma estrutura de URL de um site deve ser a mais simples possível. Organize seu conteúdo de modo que os URLs sejam de fácil compreensão e elaborados de maneira lógica (quando for possível, palavras legíveis em vez de longos números de ID). Por exemplo, se você procurar informações sobre aviação, um URL como http://en.wikipedia.org/wiki/Aviation ajudará você a decidir se clica no link. Um URL como http://www.example.com/index.php?id_sezione=360&sid=3a5ebc944f41daa6f849f730f1, é menos atrativo para os usuários.

Considere o uso de pontuação em seus URLs. O URL http://www.example.com/vestido-verde.html é muito mais útil para nós que http://www.example.com/vertidoverde.html. Recomendamos que você use hifens (-) em vez de sublinhados (_) em seus URLs.

URLs muito complexos, especialmente os que contém vários parâmetros, podem causar problemas para os rastreadores, criando números desnecessariamente altos de URLs que apontam para um conteúdo idêntico ou semelhante em seu site. Como resultado, o Googlebot pode consumir mais largura de banda do que o necessário ou não indexar completamente todo o conteúdo do site.

Encurte suas URLs

O Google não tem problemas ao processar URLs com até 2.000 caracteres. Isso significa que o tamanho do seu URL não afeta diretamente a classificação da sua página do site. No entanto, o tamanho do URL afeta a experiência do usuário (o que acaba afetando seu SEO). URLs mais curtos são muito mais fáceis de lembrar, mais fáceis de compartilhar nas mídias sociais e mais fáceis para fins publicitários. Outro efeito positivo: um URL curto com no máximo 74 caracteres também pode ser exibido completamente nos snippets de SERP (Search Engine Result Pages, ou seja, como sua página aparece nos resultados dos motores de busca).

Dicas práticas:

• Evite palavras consideradas “stop words” como preposições, conjunções ou artigos definidos e indefinidos (e, ou, de, para, um etc.) na sua URL.

• Mantenha seus URLs o mais próximo possível do domínio raiz.

Faça linkagem interna

Sua página inicial é a mais importante e provavelmente a sua página mais forte. Sua autoridade de domínio é distribuída da página inicial para todas as outras subpáginas. Idealmente, você deve pensar em distribuir esta autoridade igualmente para todas as outras subpáginas por meio de links internos e menus de navegação fácil.

A ligação interna uniforme também permite controlar o bot do mecanismo de pesquisa. Uma estrutura lógica de links possibilita que o bot rastreie e indexe sistematicamente seu site. O controle do poder do link também informa ao bot quais páginas são mais importantes. Algumas das páginas do seu site podem não estar vinculadas a nenhuma outra página. Eles são chamados de “páginas órfãs” e, se um bot encontrar essa página, é forçado a interromper o rastreamento, pois os robôs só podem passar de um link para o outro.

Dicas práticas:

• Remova os links que apontam para páginas com defeito (código de status 404) ou páginas que não são mais acessíveis (código de status 500).

• Identifique páginas órfãs e vincule-as a outras subpáginas temáticas relevantes.

Este é um processo que pode demandar muito tempo, mas é fundamental para sua estratégia de SEO. Portanto, como estamos falando de um guia prático, mapeie primeiramente as subpáginas que estão mais próximas da raiz do seu site e identifique se há problemas. Resolva estes percalços primeiramente e mantenha o processo de linkagem interna para um segundo momento na sua estratégia, mas lembre-se que este processo é muito importante e deve ter prioridade 1 quando você voltar a atuar nele.

Dica do Google: Use texto para a navegação

Controlar a maior parte da navegação de uma página a outra por meio de links de texto ajuda os mecanismos de pesquisa a rastrearem e entenderem seu site. Ao usar JavaScript para criar uma página, use elementos “a” com URLs como valores de atributo “href” e gere todos os itens do menu no carregamento da página, em vez de esperar pela interação do usuário.

Utilize textos âncora para aumentar a relevância

Os textos âncora descrevem um link em detalhes e informam o usuário sobre o que esperar dele. Em vez de precisar clicar em um URL desestruturado e não amigável, os textos âncora permitem que as pessoas cliquem nas palavras-chave que elas realmente entendem e são redirecionadas pelo URL oculto atrás do texto âncora. Idealmente, a palavra-chave correspondente da página de destino sempre deve ser usada no texto âncora dos links internos. Quanto mais páginas da web usarem a mesma palavra-chave para apontar para uma subpágina, mais sinais o mecanismo de pesquisa receberá indicando que essa página de destino deve ser muito relevante para essa palavra-chave. Por sua vez, isso significa que a página será melhor classificada para esta e outras palavras-chave semelhantes. Evite usar textos âncora não descritivos (por exemplo, “aqui”, “mais” etc.) em seus links internos e concentre-se mais em palavras-chave.

Dicas práticas:

• Tente usar o mesmo texto âncora ao vincular a um página de destino.

• Verifique se o texto âncora corresponde ao conteúdo do página de destino.

Mantenha o caminho de cliques o mais curto possível

Os usuários do site querem acessar a página desejada o mais rápido possível. Isso significa que você deve manter seus caminhos de cliques o mais curto possível. O caminho do clique é o caminho que um usuário segue para alcançar a página que ele quer. Pense em uma experiência de compras on-line. O usuário pode começar na página inicial e terminar no carrinho de compras. Seu caminho de clique é a facilidade e o número de páginas que os usuários precisam acessar para alcançar o produto desejado e comprá-lo.

O comprimento do caminho do clique desempenha um papel fundamental para a navegação no seu site. Os mecanismos de pesquisa também se beneficiam de caminhos curtos de clique ao rastrear. Se o bot do Google acessar seu site e conseguir acessar todas as subpáginas em apenas alguns cliques, ele poderá usar seu orçamento de rastreamento limitado para digitalizar e indexar mais páginas. A otimização do caminho do clique compensa a usabilidade e o rastreamento do mecanismo de pesquisa! Como regra geral, todas as subpáginas devem estar acessíveis com no máximo 3 cliques.

Dicas práticas:

• Adicione a migalha do site navegável para permitir que seus usuários se orientem no caminho do clique.

• Limite o comprimento do caminho do clique para no máximo 4 cliques.

• Use um filtro inteligente e uma função de pesquisa em seu site para evitar longos caminhos de clique.

Melhore a rastreabilidade do seu site

A solução de erros técnicos e a garantia de que seu site esteja sempre acessível é um dos maiores obstáculos para gerenciar quando se pensa em boas práticas de SEO ao longo do tempo. Você pode usar um arquivo sitemap.xml para informar os mecanismos de pesquisa sobre todos os URLs do seu site. Este sitemap pode ser lido pelos mecanismos de pesquisa e contém uma lista de todos os URLs importantes e metadados no site. O bot do Google usa essa lista como base para acessar o site e revisar os URLs correspondentes. O arquivo sitemap.xml sempre tem a mesma estrutura.

A versão XML e a codificação são especificadas no arquivo. Os URLs podem ser complementados com metadados adicionais [por exemplo, a frequência com que a URL é alterada () ou a última modificação ().] O sitemap.xml pode ser criado usando diferentes sistemas de gerenciamento de conteúdo. Também existem geradores especiais de sitemap disponíveis para a criação do arquivo.

Depois de criar o arquivo, você deve enviá-lo para o Google Search Console. O Google verifica o sitemap-XML quanto à precisão. No entanto, não há garantia de que todas as páginas da Web fornecidas no mapa do site sejam rastreadas e indexadas. Isso depende do mecanismo de pesquisa.

Dicas práticas:

• Atualize regularmente seu sitemap.xml.

• Sempre ajuste seu sitemap.xml sempre que alterar URLs ou editar conteúdo.

• Verifique os códigos de status das páginas da web usando o mapa do site e corrija os erros de acessibilidade.

Dica do Google: O Google só poderá seguir links se eles forem uma tag com um atributo href. Links que usam outros formatos não serão seguidos pelos rastreadores do Google. O Google não pode seguir links sem uma tag href ou outras tags que funcionam como links devido a eventos de script. Veja alguns exemplos dos links que o Google pode e não pode seguir:

Pode seguir:

< a href=”https://example.com”>
< a href=”/relative/path/file”>

Não pode seguir:

< a routerLink=”some/path”>
< span href=”https://example.com”>
< a onclick=”goto(‘https://example.com’)”>

Diga aos motores de busca o que deve ser rastreado

O robots.txt é um arquivo de texto que informa aos rastreadores do mecanismo de pesquisa quais diretórios rastrear (permitir) e quais não rastrear (proibir). Todo bot deve primeiro acessar o arquivo robots.txt antes de rastrear o site. O uso do arquivo robots.txt ajuda a garantir que os mecanismos de pesquisa identifiquem todo o conteúdo importante do seu site. Se sites importantes ou elementos JavaScript forem excluídos do rastreamento, os mecanismos de pesquisa não poderão indexar corretamente seu site.

Nesse caso, as instruções se aplicam a todos os bots (*). Não há restrições de rastreamento. Depois de criar o arquivo robots.txt, você deve salvá-lo no diretório raiz do seu site. Se você não deseja que uma área específica do site seja rastreada, especifique isso usando uma “proibição” no arquivo.

Disallow: /estediretório

Dicas práticas:

• Use um arquivo robots.txt para dar instruções aos mecanismos de pesquisa.

• Verifique se áreas importantes do seu site não estão excluídas do rastreamento.

• Verifique regularmente o arquivo robots.txt e sua acessibilidade. Orientação e desempenho do site

Seu site deve ser tematicamente orientado para palavras-chave específicas para obter uma classificação ideal. O site deve atender às necessidades de seus usuários. Ao mesmo tempo, também é importante que o conteúdo da Web seja carregado rapidamente para garantir a satisfação do usuário.

Dica do Google: No caso de informações não confidenciais, bloqueie o rastreamento indesejado usando um robots.txt

O arquivo “robots.txt” informará aos mecanismos de pesquisa se eles podem acessar e rastrear partes do seu site. Esse arquivo, que precisa ser nomeado “robots.txt”, é colocado no diretório raiz do site. É possível que as páginas bloqueadas pelo robots.txt ainda sejam rastreadas, de modo que você deve usar um método mais seguro para páginas com informações confidenciais.

A imagem do exemplo mostra a localização correta do arquivo robots.txt.

A imagem mostra a localização correta do arquivo robots.txt.

Quando não for relevante ao usuário encontrar uma determinada página nos resultados da pesquisa de um mecanismo, você tem a opção de não a colocar para rastreamento. Para evitar que os mecanismos de pesquisa rastreiem suas páginas, o Google Search Console oferece um gerador de robots.txt amigável que ajuda a criar esse arquivo. Se seu site usa subdomínios e você não quer que determinadas páginas sejam rastreadas em um subdomínio específico, será preciso criar um arquivo robots.txt diferente para o subdomínio em questão.

Evite:

Que o Google rastreie suas páginas internas de resultados de pesquisa. Depois de clicar em um resultado do mecanismo de pesquisa, os usuários não gostam de ser levados para outra página de resultados, agora no seu site;

Permitir que URLs criados como resultado de serviços de proxy sejam rastreados.

Faça sua pesquisa de palavras-chave

Começamos o capítulo desta seção falando sobre a importância disto, certo? Então você já está bem a par do que estamos falando, mas vamos a mais algumas sugestões.

Ao selecionar palavras-chave, lembre-se também do objetivo do seu site. Opte por palavras-chave transacionais, se a principal intenção for vendas, ou palavras-chave informativas, se seu site tiver como objetivo fornecer informações importantes aos leitores. Abaixo estão algumas das ferramentas recomendadas para ajudar você a pesquisar palavras-chave apropriadas:

•       Planejador de palavras-chave do Google: o Planejador de palavras-chave faz parte do programa de publicidade do AdWords. Você precisa de uma conta válida do Google AdWords para usar esta ferramenta gratuita. Você pode começar a procurar por palavras-chave e ideias adequadas assim que se registrar. Você também pode acessar sites e visualizar palavras-chave adequadas com base em seu conteúdo. A ferramenta também mostra informações sobre o volume de pesquisa mensal. Para o Planejador de palavras-chave.

•       Google Trends: esta ferramenta gratuita mostra com que frequência os termos de pesquisa frequentes são usados. A ferramenta também mostra uma visualização das possíveis demandas de pico. O Google Trends é adequado para palavras-chave sazonais e relacionadas a eventos.

•       Pesquisa do Google: quando você acessa o google, o Google fornece sugestões conforme você digita com base nas palavras-chave de pesquisa mais pesadas que a pesquisa atual corresponde. Isso inclui sugestões de palavras-chave de cauda longa com base em sua entrada de cauda curta. Com um orçamento apertado ou em dinheiro, aproveite esta solução fácil!

  • Übersuggest: Übersuggest é uma ferramenta clássica de pesquisa de palavras-chave. Ele percorre todas as recomendações do Google Suggest e mostra o termo de pesquisa mais apropriado.

  • Answer the Public: Site que mostra a relação do termo pesquisado com outras buscas por meio de perguntas, long tails etc. É uma ferramenta gratuita que gera ótimos insumos para sua pesquisa.

Garanta uma navegação bem estruturada e limpa

Um menu de navegação ajuda os usuários a navegar e encontrar com facilidade o que estão procurando em um site. Um menu de navegação bem estruturado é essencial para a experiência do usuário. A estrutura de navegação também é importante para os mecanismos de pesquisa, pois permite determinar a importância de um URL. A navegação no seu site deve ser estruturada logicamente para garantir que os usuários não tenham problemas no seu site. Os longos períodos de permanência de seus usuários podem ajudar a melhorar seus rankings de pesquisa; portanto, a experiência do usuário é uma consideração importante do SEO!

Dicas práticas:

• Use textos âncora nos elementos de navegação. Isso ajuda os mecanismos de pesquisa a entender melhor o assunto da página de destino.

• Identifique as páginas com alta taxa de rejeição e tome medidas para evitar isso.

• Use uma navegação de navegação para uma melhor visão geral.

Otimize a velocidade de carregamento do seu site

A velocidade de carregamento de uma página da web é muito importante para sua classificação. Os usuários não querem gastar tempo aguardando o carregamento de uma página; eles querem ver seu conteúdo imediatamente. As páginas da Web com tempos de carregamento altos têm altas taxas de rejeição e altas taxas de rejeição geralmente resultam em classificações ruins. A velocidade de carregamento do site é ainda mais importante para dispositivos móveis, pois as larguras de banda mais baixas podem atrasar ainda mais o carregamento de um site. Existem muitas maneiras técnicas de otimizar o tempo de carregamento. Você pode usar o Google PageSpeed para verificar a velocidade de carregamento do seu site. Dê atenção especial para a velocidade para dispositivos móveis, o Google ficou muito rigoroso ao avaliar o desempenho das páginas para celulares e tablets. Vamos comentar sobre estas alterações mais adiante.

Dicas práticas:

• Verifique a velocidade da página do no site do PageSpeed do Google.

• Identifique páginas (muito) lentas e descubra a causa.

• Evite usar arquivos de imagem gigantes e otimize as imagens para seus tamanhos mínimos.

• Otimize arquivos CSS e JavaScript. Você pode salvá-los em arquivos externos no servidor por motivos de desempenho.

Otimize seu site para dispositivos móveis

A compatibilidade com dispositivos móveis é um importante fator de classificação para o ranking de pesquisa. Mais e mais usuários estão usando seus dispositivos móveis para navegar na Internet. Em algumas áreas, mais de 70% dos usuários visitam sites no celular. Você pode conferir no seu próprio Google Analytics, temos certeza que o maior volume de acessos a ele será de dispositivos móveis.

O que isso significa para você? Cada página do site deve ser otimizada para dispositivos móveis. Isso mesmo, cada uma delas. Antes de começar com a otimização para celular, você pode usar o teste gratuito do Google para compatibilidade com dispositivos móveis para verificar o desempenho móvel do seu site. Aqui, os requisitos para versões de sites para dispositivos móveis são diferentes daqueles das versões para computadores. Por exemplo, o conteúdo deve ser legível em telas pequenas e a operação de toque deve ser levada em consideração. Também é aconselhável tornar a versão móvel do seu site responsiva. Isso significa que o conteúdo de suas páginas deve se adaptar automaticamente ao tamanho e funcionalidade do respectivo dispositivo.

Dicas práticas:

• Verifique os problemas móveis no site por meio da ferramenta online do Google no endereço https://search.google.com/test/mobile-friendly

• Todo o site deve estar acessível em dispositivos móveis e o conteúdo deve se adaptar automaticamente ao tamanho e funcionalidade do respectivo dispositivo.

• Verifique se a view port tag foi utilizada, ela que vai redimensionar o seu site conforme o tamanho da tela que está sendo visualizada.

Identifique conteúdo duplicado

O conteúdo duplicado pode aparecer em um site por diferentes motivos. Às vezes, o mesmo conteúdo é acessível e indexado em URLs diferentes. Isso dificulta que os mecanismos de pesquisa determinem o melhor resultado de pesquisa entre os diferentes URLs. O resultado é “canibalização” nos rankings. O site não pode aparecer na classificação superior, pois o Google não consegue escolher a melhor versão. Portanto, você deve identificar fontes de conteúdo duplicado no seu site e corrigir os erros o mais rápido possível.

Dicas práticas:

• Verifique se o seu site está acessível com ou sem www., Http ou https. Se várias versões estiverem acessíveis, use os redirecionamentos 301 para redirecioná-los para a versão desejada.

• Verifique se o mesmo conteúdo está indexado em diferentes formatos, por exemplo, na versão impressa ou como PDF.

• Teste se o seu site cria automaticamente listas ou documentos que geram conteúdo duplicado.

• Verifique se o seu site exibe conteúdo semelhante com e sem um “/” no final do URL.

Dica do Google: Há alguns passos a serem seguidos para lidar, de maneira proativa, com problemas de conteúdo duplicado e assegurar que os visitantes vejam o conteúdo que você deseja.

Utilize 301s: se você tiver reestruturado seu site, use redirecionamentos 301 (“RedirectPermanent”) em seu arquivo .htaccess para redirecionar, de maneira inteligente, usuários, o Googlebot e outros spiders. No Apache, é possível fazer isso com um arquivo .htaccess; no IIS, execute essa ação usando o console administrativo.

Seja consistente: tente manter a consistência nos seus links internos. Por exemplo, não faça link entre http://www.example.com/pagina/ e http://www.example.com/pagina e http://www.example.com/pagina/index.htm.

Use domínios de nível superior: para ajudar o Google a veicular a versão mais apropriada de um documento, use domínios de nível superior sempre que possível para gerenciar um conteúdo específico de um país. O Google é mais propenso a entender que http://www.example.br reúne conteúdo com foco no Brasil, por exemplo, do que http://www.example.com/br ou http://br.example.com.

Distribua com cuidado: se você distribuir seu conteúdo em outros sites, o Google sempre exibirá a versão considerada mais apropriada para os usuários em cada pesquisa, que pode não ser a sua versão preferida. No entanto, é importante verificar se cada site em que o seu conteúdo é distribuído incluirá um link de volta para o artigo original. Também é possível pedir a quem utiliza seu material distribuído para usar a metatag noindex a fim de evitar que os mecanismos de pesquisa indexem a versão do conteúdo deles.

Minimize repetições desnecessárias: por exemplo, em vez de incluir um longo texto de direitos autorais no final de cada página, inclua um resumo e depois insira um link para uma página com mais detalhes. Além disso, use a ferramenta de Manipulação dos parâmetros para especificar como você deseja que o Google trate os parâmetros de URL.

Evite publicar stubs: os usuários não gostam de ver páginas “vazias”, então evite marcadores sempre que possível. Por exemplo, não publique páginas em que você ainda não tem conteúdo disponível. Se você criar páginas em branco, use a metatag noindex para impedir que essas páginas sejam indexadas.

Compreenda seu sistema de gerenciamento de conteúdo: conheça a forma como o conteúdo é exibido em seu site. Blogs, fóruns e sistemas relacionados sempre oferecem o mesmo conteúdo em diversos formatos. Por exemplo, um registro de blog pode aparecer na página do próprio blog, em uma página de arquivo e em uma página com outras entradas e com o mesmo marcador.

Diminua conteúdo semelhante: se você possuir diversas páginas parecidas, será recomendável expandir cada página ou consolidá-las em uma única página. Por exemplo, se você possuir um site de viagens com páginas separadas para duas cidades, mas com a mesma informação em ambas as páginas, una essas páginas em uma só, usando conteúdo das duas cidades, ou expanda-as com mais conteúdo exclusivo sobre cada localidade.

Administre o conteúdo duplicado

As lojas online, em particular, geralmente enfrentam o risco de gerar conteúdo duplicado. Por exemplo, um produto pode estar listado em várias categorias. Se o URL estiver estruturado hierarquicamente, um produto poderá ser acessado em vários URLs. Uma maneira confiável de resolver esse problema é usar uma tag canônica. Isso mostra ao Google qual URL é o “original” e qual é uma cópia. O bot do Google ignora as cópias ao rastrear seu site e indexa apenas os URLs originais.

Dicas práticas:

• Vá para cada página do seu site e adicione uma tag canônica.

• No caso de conteúdo duplicado, a tag canônica deve apontar para a página da web original. Adicione também uma tag canônica na página original que aponte para si mesma.

• Ao adicionar tags canônicas, certifique-se de escrever os URLs corretamente.

• Não use URLs relativos para tags canônicas.

Exemplo:

URL original: www.mywebsite.com/maincategory/page1.

Copie: www.mywebsite.com/othercategory/page1.

Você deve adicionar a seguinte tag canônica na cópia:

categoria / página1 “/>

Crie títulos únicos nas páginas

Os títulos principais no conteúdo da sua página geralmente têm duas funções. Uma é fornecer ao conteúdo uma estrutura organizada e a outra é incentivar o usuário a ler. Os títulos são marcados com h-tags no código-fonte HTML. Vamos aprofundar um pouco este conceito.

Os textos das páginas são muito importantes, quanto mais você gerar oportunidades com suas palavras-chave foco, mais sua página vai ficar melhor ranqueada para estas buscas, lembrando de gerar oportunidade com adjetivos, substantivos e contextos diferentes. Repetir as mesma palavras-chave pelo texto pode prejudicar o ranqueamento e ainda gerar penalização pelo Google por práticas de BlackHat (ações maliciosas para tentar ludibriar o algoritmo do Google).

Os cabeçalhos são importantes para os motores de busca entenderem a estrutura de uma página. É como se fosse um texto muito longo divido por títulos, subtítulos etc.

No código fonte da página, os títulos e subtítulos são indicados pelas tags H1, H2, H3 e assim sucessivamente. A tag mais importante é a H1, e só deve haver uma por página. Sendo que a segunda mais importante é a H2, e pode haver várias delas. É importante que os títulos estejam com as tags para que os motores entendam como a página está dividida e compreender melhor seu conteúdo, portanto, é um ótimo espaço para trabalhar suas palavras-chave.

Dicas práticas:

• Use apenas um título H1 por página.

• Use a palavra-chave principal da respectiva página no título H1.

• Organize os subtítulos em ordem cronológica (H1, H2, H3 etc.).

• Não use tags h para formatar o tamanho da fonte. Em vez disso, use CSS.

• Quando possível, use palavras-chave tematicamente complementares nos subtítulos (H2, H3 etc.).

• Mantenha os títulos o mais curtas possível e exclua todas as palavras desnecessárias.

• Use elementos como números, marcadores e imagens para atrair a atenção dos usuários e tornar seu conteúdo facilmente visualizável.

Faça curadoria do seu conteúdo

Entramos no pilar de conteúdo para SEO que tanto comentamos nos capítulos anteriores. Aqui, vamos listar algumas ações práticas para você cuidar do seu conteúdo com foco em SEO, já que temos certeza que você já está populando seu site com conteúdos inéditos seguindo nossas dicas, certo?

A curadoria de conteúdo é uma maneira comum de coletar, reestruturar e republicar o conteúdo já existente. A coleção de material geralmente oferece novas perspectivas para os usuários sobre as ideias de conteúdo que você já abordou. Para que a curadoria do conteúdo seja bem-sucedida, primeiro procure as fontes apropriadas e depois use seu próprio blog para publicar o conteúdo propositadamente. Os canais pessoais de mídia social também ajudam a espalhar o conteúdo facilmente. Os tópicos populares geralmente oferecem muito tráfego.

Dicas práticas:

• Publique infográficos ilustrativos que tornam um assunto complexo muito mais fácil de entender.

• Publique pesquisas e estatísticas para tópicos que possam interessar ao seu grupo-alvo.

• Escreva e-books nos quais você abrange um assunto de maneira abrangente e fácil de entender.

• Organize estudos de caso nos quais você compartilha suas próprias experiências. Isso fornece aos usuários informações práticas sobre seu trabalho e experiência.

• Publique postagens de convidados em seu blog. Especialistas externos podem fornecer informações detalhadas sobre assuntos específicos que interessam aos seus usuários.

Recicle seu conteúdo

A republicação de conteúdo oferece aos webmasters e SEOs uma oportunidade para reestruturar e atualizar o conteúdo que já apresenta bom desempenho para seu público. Ao republicar o conteúdo, você não pode simplesmente publicar a mesma coisa e torná-la nova. Você precisa atualizar o conteúdo com novas estatísticas, exemplos, fatos atualizados ou até formatos novos para torná-lo mais relevante para o seu público. Por que isso é tão bom para você? O conteúdo já está lá, por isso é muito menos esforço para você do que criar um conteúdo totalmente novo. Os mecanismos de pesquisa geralmente o recompensam por atualizar o conteúdo antigo. Mas lembre-se, você só recebe uma recompensa por tornar o conteúdo mais relevante!

Dicas práticas:

• Verifique regularmente os KPIs do seu site, por exemplo, tempo de permanência, tráfego e comportamento de rolagem.

• Procure o conteúdo de maior classificação e verifique se está atualizado.

• Certifique-se de também modificar seus meta-elementos, por exemplo, título e descrição, ao modificar seu conteúdo.

Exemplos de maneiras pelas quais você pode republicar seu conteúdo:

• Criando tutoriais em vídeo a partir de conteúdo existente.

• Atualizando posts antigos ou transformando-os em ofertas fechadas.

• Criação de listas com base em informações em uma postagem no blog.

• Reformulando um comunicado de imprensa em uma postagem no blog.

Internacionalize seu site

Seu site está disponível em diferentes idiomas ou versões de países? Não se esqueça de notificar os mecanismos de pesquisa sobre isso. Os mecanismos de pesquisa exibirão o conteúdo do seu site nas respectivas versões de país e idioma para os usuários. Isso melhora a usabilidade, pois os usuários são redirecionados imediatamente para a versão desejada nos SERPs. Você deve usar a tag hreflang para marcar as diferentes versões de idioma e país de sites multilíngues. Implemente essa tag na seçãodo site e adicione uma nova tag para cada versão de idioma.

Estrutura:

 

Dicas práticas:

• Adicione uma tag hreflang em todas as páginas, se houver uma cópia em um idioma diferente.

• Vincule cada página do seu site a todas as versões de idiomas disponíveis.

• Adicione o hreflang no seu mapa do site XML.

• Adicione uma tag hreflang na seçãodos documentos HTML para também fazer referência a outros PDFs em outros idiomas.

Otimize seu site para pesquisas locais

Um estudo do Google mostrou que mais de 80% dos usuários pesquisam lojas e provedores de serviços locais online antes de visitá-los. Esse fato torna importante otimizar seu site para a pesquisa local. A visita online é uma base para mais clientes e mais vendas.

Dicas práticas:

• Certifique-se de otimizar seu site para celular, pois os usuários costumam procurar lojas, restaurantes ou prestadores de serviços locais usando smartphones.

• Sempre use o mesmo nome comercial, endereço e número de telefone em seu site. Use as mesmas informações para entradas nos diretórios comerciais.

• Registre seu site no Google MyBusiness. Adicione também imagens de você e sua empresa.

• Verifique se o seu conteúdo está relacionado à sua localidade. Use a cidade ou região nos títulos, títulos e meta descrições H1.

• Use seu campo de serviço ou de negócios como uma palavra-chave principal e combine-o sensivelmente com sua região ou cidade.

• Defina o foco da palavra-chave (atributos ALT ou nomes de URL) como a combinação de cidade / região + sua oferta / serviço.

• Use marcações para marcar os dados no código-fonte.

• Adicione sua empresa em diretórios de negócios como o Yelp.

• Incentive seus usuários a avalia-lo online.

Use as redes sociais par alavancar seu SEO

As redes sociais são uma fonte importante de tráfego. Um bom conteúdo aumenta significativamente a probabilidade de as postagens serem frequentemente compartilhadas organicamente nas redes sociais, o que ajuda a expandir seu alcance. Ao mesmo tempo, você também pode gerar tráfego adicional por meio de canais sociais. As interações sociais também são registradas pelo Google e podem ajudar o mecanismo de pesquisa a revisar a relevância e a qualidade do seu conteúdo.

Dicas práticas:

• Use redes sociais para promover seu conteúdo. Certifique-se de abordar adequadamente o público-alvo correto.

• Publique apenas conteúdo que também interessa ao seu público-alvo.

• Fale o idioma do seu público-alvo em suas postagens.

• Publique regularmente e não tenha medo de experimentar as postagens compartilhadas com mais frequência.

• Use anúncios pagos em postagens extremamente interessantes para expandir ainda mais seu alcance.

• Use uma pré-visualização para verificar como suas postagens são exibidas.

• Use imagens e vídeos para tornar suas postagens mais atraentes e atraentes.

Incentive o usuário a interagir com sua marca

O conteúdo gerado pelo usuário pode aumentar a relevância e a atualização de um site. Os usuários podem interagir com seu site de várias formas diferentes. As formas mais comuns incluem comentários no blog, espaço de perguntas e respostas sobre produtos e críticas!

Dicas práticas:

• Incentive os leitores do seu blog a comentar as postagens. Você pode simplesmente adicionar uma solicitação de CTA no final do texto ou fazer perguntas em aberto.

• Compartilhe suas postagens nas redes sociais e incentive os usuários a comentar.

• Permita que os usuários revisem e classifiquem seus produtos através de campos de texto abertos.

• Deixe seus usuários responderem perguntas de outros usuários sobre seus produtos.

• Poste perguntas frequentes em seu site e responda as perguntas lá.

Monitoramento

SEO não é uma ação única. É um processo de otimização contínua. Uma base crucial para a otimização é utilizar dados válidos sobre o comportamento do usuário. O monitoramento regular é uma das principais tarefas da otimização de mecanismos de pesquisa que permite reagir rapidamente ao declínio do tráfego ou outras ocorrências.

Portanto…

Tenha contas no Google Analytics e Google Search Console

O Google Search Console é uma base importante para o monitoramento de sites. Além de o sitemap.xml ser carregado no Search Console, você também obtém dados importantes sobre as palavras-chave mais comuns usadas para encontrar o site no Google. Além disso, o Search Console também informa sobre sites invadidos e avisos para links não naturais. Você também pode acessar dados do Search Console em outros aplicativos vinculando outros produtos do Google, por exemplo, Google Analytics e Google AdWords. A API também permite integrar estatísticas de CTR e tráfego, além de links em outras ferramentas de análise da web.

Dicas práticas:

• Registre uma conta válida do Google e adicione seu site no Search Console. Você vai aprender como realizar isto de maneira eficiente e com governança ideal sobre permissões de acesso no nosso próximo capítulo.

• Verifique regularmente as melhorias em HTML no Search Console e otimize seus metadados.

• Verifique suas marcações usando o Search Console.

• Analise os cliques nas suas páginas de destino e use esses dados como base para otimizar seu conteúdo e metadados.

• Verifique as estatísticas sobre erros de rastreamento.

• Envie diretamente sites otimizados para o índice do Google usando a função “Buscar como Google”.

O Google Analytics permite analisar especificamente o comportamento do usuário no seu site. As opções de análise variam de funções muito simples a muito complexas. O uso de ferramentas como o Google Analytics é essencial para avaliar o sucesso de suas medidas de SEO. O Google Analytics rastreia os usuários no seu site. Para ativar o rastreamento, você deve adicionar o respectivo snippet de código do Google Analytics em todas as páginas. Também vamos aprender sobre ele no próximo capítulo.

Dicas práticas:

• Verifique os indicadores de desempenho mais importantes (como visitas à página, taxa de rejeição e tempo de permanência) diariamente.

• Ative as notificações por e-mail em caso de grandes alterações nesses KPIs.

• Compare regularmente os dados com os períodos anteriores.

• Revise sua política de privacidade se você estiver usando o Google Analytics.

Meça seus resultados, amigo

Neste cenário, um posicionamento forte em Web Analytics pode agir como um catalisador de resultados, aumentando a eficiência e o foco de seus esforços em SEO. Assim, sua campanha terá a usual qualidade, popularidade e níveis de engajamento, mas com uma alocação de recursos mais sofisticada. Veja só como funciona!

Analytics integrado ao Search Console para dados ricos

 O Google Analytics (GA) não proporciona uma boa ideia das palavras-chave mais procuradas como o Sem Rush. Mas como o GA pode ser integrado com o Google Search Console, você pode navegar por relatórios com informações sobre estas pesquisas. Isso irá revelar parâmetros de palavras-chave junto com seus cliques, impressões, e outros dados úteis. Feito isso, você pode ter insights sobre quais palavras-chave as pessoas buscam no Google para chegarem ao seu website e usá-las em sua estratégia.

Web Analytics em busca da palavra-chave perfeita

 Você pode vincular o Adwords ao Analytics para gerar dados preciosos quanto às suas melhores keywords. Isso é possível porque, através de informações do AdWords, o GA cria relatórios com as palavras-chave que geraram tráfego, vendas e conversões em seu site.

Pense em palavras-chave, mas também em páginas

 É isso mesmo. Desde 2011, parte considerável do tráfego de palavras-chave passou a ocorrer através de buscas anônimas. Por causa disso, dados relacionados à keywords podem ser difusos e obscuros em algumas ocasiões. Neste cenário, o tráfego a nível de página oferece insights preciosos para avaliar as melhores estratégias de SEO.

Analisando as páginas que geram maior nível de tráfego e conversão, você terá informações preciosas quanto aos níveis de maior performance dentro de seu website, podendo tomar decisões estratégicas para o futuro.

Não esqueça das buscas internas

 Através da análise de buscas orgânicas e comportamento, você pode encontrar os termos de busca usados pelos usuários que chegaram diretamente ao seu site. Use estes termos para refinar sua estratégia de conteúdo ou criar novas ideias. Além disso, você pode somar uma dimensão secundária para identificar qual a página de destaque para cada palavra-chave interna de seu site. Para que isso seja possível, mantenha sua busca interna sempre acionada nas configurações.

Qualidade é o que interessa

 A experiência de usuário é um fator cada vez mais importante no ranking do Google, e a qualidade do conteúdo do site, por sua vez, é um fator determinante neste sentido. Por isso, duração de sessão e bouce são métricas importantes que irão mostrar se seu conteúdo é efetivo e útil para os usuários. Além disso, dados relacionados ao conteúdo de seu site podem ser úteis ao proporcionarem insights sobre as categorias/sessões mais populares

Ufffaaa,

Foi uma jornada e tanto, né? Bom, relembrando que este passo a passo serve para você ajustar seu site a ser encontrado pelos motores de busca, ele é o básico para você arrumar a casa. Uma estratégia de SEO envolve um ciclo constante de análise, testes e mensuração para encontrar insights e falhas no processo. Além do mais, lembre-se que novas companhias do seu segmento estão entrando constantemente no mercado, e todas querem estar na primeira página do Google, mas existem apenas 10 posições orgânicas na primeira página. Parece muito pouco, mas acredite, tem muita gente que não olha para a metade do que listamos aqui, e estamos falando de grandes sites, acredite. Também se lembre que você não precisa competir diretamente com os grandes players, você pode montar uma estratégia bem sucedida focando em palavras de long tail, menos amplas e mais específicas, que possuem menor volume de buscas, mas grande chance de conversão.