Os dispositivos móveis já se consolidaram como uma das principais fontes de acesso à internet. Como vimos no post “Conheça as tendências de SEO para 2017”, cada vez mais usuários acessam a internet através de dispositivos móveis, e o Google (obviamente) está ciente disso. Páginas responsivas e mobile-friendly – um site mobile – são favorecidos no mecanismo de busca. Mas não é só isso. Navegando através do telefone celular, você deve ter notado uma nova opção oferecida no Chrome ao usuário: a otimização para mobile. Esta é uma feature que será ativada quando o Google detectar que o usuário está com uma conexão de rede lenta em um país onde a transcodificação estiver ativada. Este artigo do Google pode te ajudar a entender melhor o funcionamento. O recurso é cada vez mais utilizado e já ganha força no volume total de acessos registrados por grandes websites. Para saber se este recurso do Chrome está sendo usado quando navegam pelo seu site, dê uma olhada nas fontes de trafego e verifique se alguma vem a fonte google.weblight.com/referal

Por que ele contabiliza como fonte?

Porque o recurso “constrói” o site que será carregado no Chrome Android a partir do redirect do servidor do Google. Ou seja, a página é carregada a partir desta origem, que por sua vez será categorizada pelo Google Analytics na dimensão de Origem de Tráfego (General Traffic Source). No Brasil, o Android representa mais de 95% do mercado e a utilização desta feature, tende a crescer. Não está familiarizado com o Google Analytics? Baixe este ebook

Exemplo que vem da prática

Veja o exemplo a seguir, um registro da performance de website em 2016. O GoogleWeblight (de compressão de páginas via chrome android) foi a 24ª fonte de acessos do portal, representando 0,07% de um total de 477 milhões de sessões. Já no início de 2017, o recurso já ocupa a 17ª posição em acessos no mês de janeiro.

E como isso afeta meu website?

Como já comentado anteriormente, é essencial que os websites empresariais estejam em dia com a nova realidade de acesso voltada a sites mobile. E isso exige a mudança de alguns posicionamentos (literalmente). Veja o exemplo abaixo. Na primeira, o usuário navega normalmente e, ao fim da página, se depara com a poção de otimização para Mobile. Na segunda, o website já está otimizado para mobile. A ferramenta “limpa” a página deixando apenas o conteúdo. Aumentando a velocidade do carregamento e facilitando a leitura. Neste formato – em relação a imagem anterior – 3 dos 4 CTAs que que apareciam na página desapareceram. Ou seja, com a crescente adesão a este recurso, a tendência é que canais venham a trabalhar cada vez mais com CTAs no corpo do conteúdo, dentro do texto ou entre parágrafos. E seu site. Já está adaptado ao acesso via mobile? Veja outros elementos que não podem faltar em seu website para gerar leads em 2017. Acesse nosso conteúdo especial!